A hipocrisia de Luana Piovani

23/11/2011

Brasil247

O PLANO DE SAÚDE QUE LULA TEM, EXTENSIVO À MARISA LETÍCIA, DÁ DIREITO AO TRATAMENTO QUE VEM RECEBENDO NO SÍRIO-LIBANÊS, EM SÃO PAULO. E EU PEGO ESSE ASSUNTO POR OUTRO PONTO, CHAMADO LUANA PIOVANI.

O plano de saúde que Lula tem, extensivo à Marisa Letícia, dá direito ao tratamento que vem recebendo no Sírio-Libanês, em São Paulo.

Se não fosse assim, direitos concedidos a ex-presidentes incluem cuidados totais com saúde (estima-se em R$ 38 mil a primeira rodada de exames e o tratamento de 90 dias poderá alcançar R$ 600 mil).

Câmara Federal e Senado também mantêm planos específicos com o Sírio-Libanês, abrangendo deputados e senadores, mais seus familiares.

A Câmara paga R$ 1,1 milhão e o Senado, outros R$ 2 milhões. Mais: no ano que vem, o Sírio deverá estar inaugurando uma unidade avançada em Brasília, de menor tamanho, mas com toda tecnologia existente no hospital de São Paulo.

O problema não é nem o valor do tratamento, eu pego esse assunto por outro ponto, chamado Luana Piovani. A atriz global, conhecida ultimamente mais pelos seus barracos e por suas declarações “polêmicas” do que pelo seu trabalho propriamente dito, disse que o ex-presidente deveria se tratar no SUS, já que ele elogia tanto o Sistema Único de Saúde.

Continue lendo »


Força, eterno Presidente.

18/11/2011

Direto da Redação por Urariano Mota

Recife (PE) – Ao ver as últimas fotos de Lula na imprensa, com os cabelos e barba raspados por dona Marisa, a primeira coisa que vem na gente é um choque. A intimidade de Lula com o povo brasileiro é de tal sorte,  que vê-lo neste estágio de luta contra o câncer é o mesmo que rever um amigo caído em um leito de hospital. Depois, quando a gente atenta bem para a sua face, a sorrir, brincalhão, como a nos dizer “eu ainda vou provar um caldinho de feijão em Pernambuco, não desesperem”, bate na gente uma simpatia por esse homem provado pela dificuldade desde a infância.

Mais adiante, a foto desperta a reflexão de que a partir dela muitos brasileiros vão retirar do câncer o seu aspecto macabro, definitivo e definidor, como até hoje todos o vemos.  O colunista aqui bem conhece a doença, da juventude até hoje em parentes, amigos e numa pessoa próxima demais para o seu gosto. Em todos conhece a via-crúcis, que  vai do autoengano à desesperança, até a exclusão voluntária do mundo dos saudáveis. E no entanto, Lula, na foto, está a nos sorrir e nos puxar para cima, “enfrentem, nada está definido, vamos adiante”. Não desse em nada, só a sua imagem deveria receber prêmio dos institutos de oncologia, porque deixa em todos a luz da esperança.

Por fim, é da natureza de uma foto de alguém em tratamento de câncer, dela vêm outras imagens, de Lula no Recife, em Água Fria, lembro:

Continue lendo »


Dona Marisa raspa barba e cabelo de Lula

16/11/2011

Do Blog Os Amigos Do Presidente Lula

 

O Instituto Lula informou na tarde desta quarta (16) que a ex-primeira-dama Marisa Letícia raspou a barba e cortou o cabelo do ex-presidente Lula (Lula sem cabelo e barba, em imagem divulgada pelo Instituto Lula,  do ex-presidente (Foto: Ricardo Stuckert/)

Lula ao R7: “Quero ajudar Dilma em 2014″

13/11/2011

Balaio do Kotscho por Ricardo Kotscho

post lula Lula ao R7: Quero ajudar Dilma em 2014
Duas semanas depois de ficar sabendo que está com câncer na laringe, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva mostra seu estado de ânimo ao falar dos planos para o futuro:

“Quero estar forte em 2014 para ajudar a reeleger a Dilma””, contou em meio a uma conversa de mais de duas horas na tarde deste sábado, na sala do seu apartamento, no centro de São Bernardo do Campo, o mesmo onde morava antes de ser eleito presidente da República.

Lula só não se conforma de não conseguir comer seus pratos prediletos. Tinha pedido uma feijoada para o almoço, cortou tudo em pedaços pequenos, mas não conseguiu comer. O tratamento de quimioterapia provoca-lhe enjôos e o fez perder o sabor dos alimentos.

“Gostaria de entrar num freezer e só sair quando terminar essa quimioterapia…”, brincou ele, ao relatar suas dificuldades com a nova rotina imposta pela doença, sem perder o bom humor.

Continue lendo »


Uma nação de Caco Antibes

09/11/2011

Por Matheus Pichonelli, na CartaCapital

A vida em rede é viciante. Nela, você consegue ter por perto boa parte dos amigos e até da família com uma simples rolagem na barra de contatos. As manifestações de apreço têm temperaturas adequadas para cada situação, diferentemente de sorrisos indecisos dos que sabem misturar, na vida real, afetos com dissimulação. Na internet, o compartilhamento de uma dica, um link, uma foto, um pensamento sobre a vida é, de longe, o maior sinal de prestígio dos tempos atuais – se não for pra tanto, basta apertar o botão de “curtir”, espécie de manifestação britânica de apreço ou camaradagem.

Uma frustração da vida moderna, porém, é não poder transferir os hábitos em rede para a vida concreta, que nem sempre cabe numa caixa de 140 caracteres. Porque seria bom, muito bom, poder denunciar conteúdo, bloquear, ignorar, trollar ou simplesmente eliminar da vida real os lastros de nazismo revigorado que povoam, sempre povoaram, e sempre povoarão as ruas, mesas de bares, jantares para convidados, happy hours, sermões e tudo o mais que, em nome da estupidez, reunir dois ou mais idiotas numa mesma conversa.

Faz pouco mais de uma semana que o Brasil soube que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está doente, submetido a um tratamento contra um câncer na laringe. Foi tempo suficiente para me levar a criar uma espécie de barreira sanitária nas minhas relações virtuais: por recomendação de uma amiga, limei da minha lista todos os amigos (sim, alguns eram chamados de “amigos” antes mesmo de Mark Elliot Zuckerberg ganhar seu primeiro “Pense Bem”) que usaram a rede para fazer chacota em cima da doença do ex-presidente.

Continue lendo »


O exemplo de Lula

06/11/2011

QUEM VENCEU A FOME, A DITADURA, O PRECONCEITO E A DESCONFIANÇA DOS MERCADOS HÁ DE VENCER TAMBÉM O CÂNCER

Quem ainda não viu, assista.

O vídeo em que Lula agradece ao povo brasileiro pela solidariedade empenhada, do Oiapoque ao Chuí, diante de sua doença, que foi disponibilizado pelo Instituto Cidadania (www.icidadania.org), é, talvez, a mais perfeita peça de comunicação já feita na história do País. E é também uma peça política sem que tenha sido planejada com esse fim. Foi uma mensagem espontânea, sincera e fruto da intuição de um gênio na arte da comunicação.

Basta assistir ao vídeo para entender por que Lula, enquanto estiver presente na cena política, será um personagem imbatível e sem adversários à altura, dentro ou fora do PT. Primeiro, há a identificação com o homem comum – “o que aconteceu comigo é daquelas coisas que acontecem com todos, mas a gente pensa que é só com os outros, nunca com a gente”. Em seguida, a fé e um conselho, válido para qualquer pessoa. “Vamos tirar de letra” e “Basta seguir as recomendações médicas”.

O vídeo ganha mais significado quando surgem as primeiras mensagens políticas, como (1) “não existe espaço para pessimismo”, (2) “sem perseverança, não se vai a lugar nenhum” e (3) “nós temos que lutar, pois afinal de contas é para isso que nós viemos para a Terra”. É nesses pontos que a luta do ser humano Luiz Inácio contra o câncer se confunde com a do povo brasileiro contra as agruras do dia a dia.

E é assim que surge a identificação entre o líder e as massas.

Continue lendo »


A idade do ódio, aqui e no mundo

05/11/2011

Carta Maior por Mauro Santayana

Duas situações – uma, internacional, outra, em nosso país – trazem-nos a sensação angustiosa de que os homens perderam a sua essência moral e retornam velozmente à idade do instinto dos répteis; enfim, desumanizam-se. Prepara-se, sem quaisquer disfarces, a guerra contra o Irã. Não basta o que se faz no Afeganistão, no Iraque, na Líbia e na Palestina. Os belicosos de Israel, com o apoio da Grã Bretanha e da França, e o estímulo dissimulado de Washington, acreditam que lhes será possível atacar impunemente as supostas instalações nucleares da velha Pérsia. Em lugar da retirada – inglória – do Iraque e do Afeganistão, já anunciada, o que se vislumbra é a ampliação do conflito. Como em todas as aventuras militares, sabe-se como esta se iniciará, com o bombardeio de alvos no Irã – mas não se sabe como acabará. Se não prevalecer o bom-senso em Tel-Aviv, podemos aguardar nova tragédia, se não formos arrastados a uma Grande Guerra Euroasiática, da qual poderemos escapar na América Latina, se a estupidez não nos contaminar.

Há dias houve sinais de esperança com a troca de prisioneiros entre Israel e o Hammas. Essa esperança durou menos do que algumas horas, com a decisão de Netanyahu de construir nova colônia em território alheio, como represália à decisão da UNESCO – pela maioria esmagadora de votos – de reconhecer o Estado da Palestina. Como se isso não bastasse, trata agora o governo extremista de Israel de preparar o bombardeio contra o Irã, com a presunção de que continuará impune, como tem ocorrido ao longo desses 63 anos de existência do estado judaico.

Continue lendo »