PT tenta o suicídio em São Paulo

Por Eduardo Guimarães no Blog da Cidadania

O desastre eleitoral que se abateu sobre o PT paulistano não poderia ser mais grave se a mídia e o PSDB o tivessem planejado. Por isso, a candidatura de Fernando Haddad sofreu um ferimento mortal do qual poderá até se recuperar, mas não será fácil.

A aliança entre o PP e o PT paulistanos, por si só, era difícil de aceitar. Mas a foto de Lula, Paulo Maluf e Haddad confraternizando entre si tornou intragável o que já era difícil de engolir. Além disso, a imagem será usada pelos adversários de Lula até o dia em que ele permanecer na política.

Dirão que a culpa é toda de Lula porque foi dele a decisão de fazer a aliança maldita “com Maluf”. Todavia, não é verdade. Apesar da falta de percepção do ex-presidente sobre a política paulistana Erundina poderia ter resistido, pois sabia da aliança.

Desistir da chapa de Haddad não isentou a ex-prefeita. Ela atribui tudo à foto, mas se aceitou a aliança contanto que não houvesse foto sugere que se tivesse sido feito tudo às escondidas não se importaria de estar ao lado de Maluf. A emenda saiu pior do que o soneto.

Se Erundina não tivesse renunciado haveria muito burburinho, mas, em alguns dias, tudo teria sumido. Contudo, como ela parece não ter convicções de seus atos deixou-se intimidar por uma militância embriagada, incapaz de enxergar prioridades.

Sim, a aliança com o PP de São Paulo é repugnante porque quem manda no partido, aqui, é Maluf. Em nível federal o partido não é dele, mas, em São Paulo, é. Todavia, a militância entregar o jogo por uma foto é condenar a cidade a continuar piorando.

Sem um bom prefeito, São Paulo continuará piorando. Caso Serra vença, o rumo em que a cidade está será mantido porque é ele quem a governa desde 2004. Se o eleito for Russomano,  Chalita ou Soninha talvez seja até pior, pois nenhum deles é administrador como o tucano ou Haddad.

A militância não quis saber. Agiu como manada. Insuflada por militantes tucanos travestidos de “petistas arrependidos”, começou a propagar slogans contra Erundina até que ela se deixasse intimidar e materializasse o desastre.

Claro que o erro maior foi de Lula. Subestimou a passionalidade da militância e superestimou Erundina e a si mesmo. Além disso, adotou uma postura autocrática ao empurrar Maluf pela goela de todos. Mas ele tem desculpa. Está voltando do inferno.

Não foi por falta de aviso, porém, que essa hecatombe ocorreu. Antes de qualquer um, ainda na sexta-feira passada publiquei post contendo denúncia contra Maluf. No sábado, elenquei as razões pelas quais aquela aliança maldita seria ruim. Mas não fiz escarcéu.

Todos poderiam ter marcado posição sobre a inconveniência da aliança, mas não era preciso fuzilar Erundina até que seu lado titubeante aflorasse.

Agora, se a candidatura Haddad não resistir, São Paulo pode vir a ter um prefeito pior do que Kassab  caso Serra não se eleja – ele ainda seria menos ruim do que seu pupilo. Seria pior, pois, um Russomano vencer. Ou, no limite do impensável, uma Soninha.

Todavia, há um fio de esperança. Conhecendo o povo de São Paulo, é mais do que certo que expressiva parcela da população não considera que se aliar a Maluf é se aliar ao demônio. Muito pelo contrário. O prejuízo real, portanto, pode ter sido pequeno ou até zero.

A menos, é claro, que a militância petista continue dando uma banana para São Paulo e fazendo jogo de cena sobre a aliança com o PP paulistano…

Por outro lado, talvez tenha sido bom Erundina não ser vice de Haddad. Ela seria um foco permanente de crises ao se deixar guiar pela mídia ou pelas redes sociais da internet. Ninguém consegue governar ouvindo só a opinião pública.

Por outro lado, bom seria se o comando da campanha de Haddad não continuasse repetindo as burradas da campanha de Marta Suplicy em 2008, que, como agora, decidiu jogar sua história no lixo usando as mesmas armas que os adversários – ou seja, o preconceito.

Usar o preconceito contra Kassab em 2008 ou se aliar ao restolho da política brasileira em 2012 são faces da mesma moeda, a moeda da ânsia de obter a vitória a qualquer preço. E o que é pior: apelando para “atalhos” que não se tem segurança sobre aonde vão dar.

Há um só caminho para Haddad vencer a eleição: há que fazer o povo pensar em sua vida e convencê-lo de que sabe como melhorá-la. Jogadas políticas espertalhonas são o campo em que a direita midiática joga. Não dá para vencê-la nesse campo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: