O poder em jogo nas urnas de maio

Por Saul Leblon no site Carta Maior

Durante 30 anos o discernimento histórico foi entorpecido pela radiola do pensamento único, a proclamar as virtudes e a autossuficiência da ordenação da sociedade sob a égide dos livres mercados. O dinheiro solto era mais eficiente que o desenvolvimento planejado.

Mais que um martelar teórico, tornou-se a única experiência tangível em escala relevante, sendo a sua crítica um exercício mais de resistência ideológica, do que uma confrontação prática de experiências e projetos. Esse tempo acabou.

Hoje a opinião pública mundial desfruta o privilégio de comparar lógicas divergentes em ação. Nesse acerto de contas cabe à Europa, que figurou no pós-guerra como um contraponto de democracia social ao capitalismo americano, o enredo da tragédia. Assiste-se ali à derrocada de nações que mergulharam na crise de 2008 subordinadas à supremacia das finanças desreguladas e, mais que isso, desprovidas de lideranças capazes de resgatá-las da austeridade suicida, quando a sobrevivência do modelo tornou-se sinônimo de sacrifício terminal.

O mergulho da Inglaterra na fogueira recessiva da UE, cujas labaredas já consomem a Espanha, Portugal, Itália, Grécia e outros sob o lança-chamas ortodoxo de Angela Merkel, reforça a abrangência de um divisor histórico. As eleições francesas emprestam a ele uma primeiro escrutínio de polarização pedagógica. Mas não cabe ilusão.

O mundo que arde em recessão, desemprego, Estados falidos e dívidas soberanas impagáveis não é um produto de teorias ou de livros textos. Esse mundo tem dono. Sua dominância está entranhada em instituições capilarizadas , dispõe de vocalização midiática abundante, abriga interesses fortes encastoados nas estruturas sociais. O fogaréu recessivo do euro não figura aos olhos dessa teia como um sacrifício despropositado, mas um ajuste imperativo entre credores e devedores.

A austeridade ortodoxa é o preço a pagar. As urnas francesas, tudo indica, devem mudar a ponta desse iceberg. Trocar Sarkozy por François Hollande em 6 de maio –no mesmo dia em que os gregos elegem um novo parlamento, enfrentando dilemas equivalentes aos dos franceses– é um passo. Mas ainda não altera a essência do poder.

Na França, na Grécia,Espanha, Itália ou Portugal, quem vencer eleições terá que afrontar acordos, como o pacto de arrocho fiscal do euro imposto por Berlim, e rendições que remetem diretamente à cota de arrocho social necessária à preservação do poder financeiro. Na Grécia, estão pré-contratados cortes equivalentes a 5,5% de um PIB que há quatro anos está em recessão.

Na Europa em geral, segundo o próprio FMI, o ‘saneamento’, leia-se, a salvação de 58 maiores bancos privados pressupõe uma desalavacagem (contração recessiva de créditos) da ordem de dois trilhões de euros.

Curto e grosso: preservar os bancos reverterá em mais prejuízos à sociedade. Deixá-los à bancarrota não será menos caótico. Esses mesmos bancos são muitas vezes os maiores credores do Estado ,configurando-se um paradoxo em que o tomador precisa assegurar a sobrevivência do credor. Na Itália os bancos tem o equivalente a 32% do PIB em títulos públicos nas suas carteiras; na Espanha ele equivalem a 26,5% do PIB, segundo o FMI.

No ciclo que ora agoniza as interações entre Estados e mercados financeiros tem sido marcadas pela subordinação paralisante dos primeiros aos segundos por meio da dívida pública e do manejo da liquidez e dos juros. Alterar essa relação de poder implica alterar a natureza do sistema de crédito e financiamento na economia, um serviço público até aqui predominantemente privatizado.

Esse é o grande desafio embutido nas urnas de maio. Transformar a polarização eleitoral num debate fascista sobre imigrantes é apenas a maneira ardilosa a qual o conservadorismo recorre historicamente para embaralhar os dados da história. Resta saber se os vencedores terão escopo para mudar as regras do jogo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: