A falta de ética da revista Veja

Por Altamiro Borges no Blog do Miro
Policarpo Jr., o editor da Veja que mantinha perigosas ligações com o mafioso Carlinhos Cachoeira, ainda pode dormir sossegado. É o que sugere o artigo do seu chefe, Eurípedes Alcântara, publicado no sítio da revista. O texto, que estranhamente não saiu na edição impressa, é um arrazoado teórico sobre a “ética no jornalismo”. Ele visa unicamente limpar a barra da Veja, acusada de se associar ao crime organizado.
O artigo serve como peça de defesa preventiva, já que alguns parlamentares que integram a CPI do Cachoeira anunciaram que pretendem convocar para depor o jornalista Policarpo Jr. e o capo da publicação, Roberto Civita. Sem citar o nome do mafioso, Eurípedes Alcântara insiste na tese de que o uso de fontes bandidas não caracteriza banditismo midiático.
Santos, corruptos e a mídia
O diretor de redação da Veja não revela o que o seu serviçal tratou, em mais de 200 telefonemas, com o chefe da quadrilha. De acordo com escutas telefônicas vazadas da Operação Monte Carlo da Polícia Federal, Carlinhos Cachoeira se jactou de contar os serviços da revista para desgastar e derrubar integrantes do governo Dilma visando beneficiar os seus negócios ilícitos.
Na prática, Eurípedes tenta justificar as ligações da revista com o crime organizado. Nesta relação promíscua, cabe tudo: o uso de grampos e vídeos ilegais, o “assassinato de reputações”, a propaganda disfarçada de negócios escusos, entre outras bandalheiras. “Entrevistar o Papa não nos faz santos. Ter um corrupto como informante não nos corrompe”, argumenta o diretor da Veja.
Veja no banco de réus
O seu caradurismo é risível. “Veja nunca permitiu que suas páginas fossem usadas para outro fim que não a busca do interesse público. Sempre que uma denúncia é publicada alguém ganha e alguém perde. Um ministro cai, e outro ministro sobe. Um grupo político é prejudicado, e outro grupo político é beneficiado. São consequências normais da divulgação de fatos verdadeiros”.
Nem ele próprio deve acreditar nestas bravatas. Quem conhece a sinistra história da revista Veja sabe muito bem que ela sempre defendeu interesses privados – e não públicos – e que sempre se comportou como partido político da direita. Ela não tem nada de isenta e nunca primou pela “ética jornalística”. Agora, Eurípedes “teoriza” temendo que a Veja seja chamada ao banco de réus!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: