Dilma tirar Ideli? Podem tirar o cavalo da chuva

Por Ricardo Kotscho no Balaio do Kotscho

dilma Dilma tirar Ideli? Podem tirar o cavalo da chuva

Manhã de domingo com céu azul e muito sol em Toque Toque Pequeno, pacata praia de São Sebastião, no litoral norte de São Paulo. Como aqui não chega jornal, meu velho vício, logo que acordo abro o computador e entro em vários sites e portais para ver se encontro alguma novidade. Nada. É o de sempre: o resultado da Fórmula-1, a rodada do futebol, a futricalhada da baixa política em Brasília.

A maioria dos meus colegas ainda trata do assunto que atravessou a semana e certamente permanecerá em destaque até o Natal: as crescentes dificuldades do governo Dilma com a sua indócil base aliada, que reclama mais carinho, cafezinho, verbas, ministérios e cargos em geral, o de sempre.

A bola da vez é a ministra Ideli Salvatti, teoricamente responsável pela coordenação política do governo, mas apenas uma fiel tarefeira da própria presidente. Todos querem a sua cabeça, querem jogar pedras na Ideli, vão se queixar para Lula. Perdem seu tempo.

Quem colocou a ex-senadora catarinense no Ministério da Articulação Política, em maio do ano passado, sem consultar ninguém, foi Dilma. Só quem não conhece a presidente pode imaginar que, menos de um ano depois, ela vai abrir mão da sua fiel colaboradora, que só cumpre ordens.

Todo mundo sabia que era uma iniciativa de alto risco colocar nesta função a companheira Ideli, que não é propriamente uma jeitosa diplomata de punhos de renda, para lidar com a cacicada toda da variada fauna aliada dos PMDB, PR, PDT,  PP e tal da vida, sem falar nas belicosas correntes do próprio PT. Dilma, claro, também sabia.

O problema não é Ideli, mas a ingovernável aliança do presidencialismo de coalizão, que já está com o prazo de validade vencido há tempos, e acabou virando nos últimos meses um presidencialismo de colisão.

Em 27 de outubro do ano passado, quando da troca de Orlando Silva por Aldo Rabelo, ambos do PC do B, no Ministério do Esporte, escrevi aqui mesmo um post sob o título “Dilma precisa inaugurar um novo ciclo político” para acabar com as capitanias hereditárias dos ministérios loteados entre os partidos. Parece que esta semana, finalmente, a ficha caiu.

A alta aprovação popular do governo Dilma certamente não se dá pela qualidade do seu volumoso ministério, nem pelos partidos reunidos na monumental base aliada, mas por sua disposição de mudar este cenário, a sua atitude de não aceitar o prato feito dos velhos caciques e ousar enfrentá-los para criar um novo tipo de relação política com o Congresso Nacional.

É hora de abandonar o velho varejão do toma-lá-dá-cá, a arte de trocar seis por meia duzia, a fulanização das crises, como agora acontece com Ideli Salvatti, e buscar uma aliança mais ampla com a sociedade, enquanto não vem a sempre decantada reforma política, que, como todos sabemos, tão cedo não virá, pela simples e boa razão de que depende dos políticos.

Se Dilma não ceder aos seus desejos, o que farão os valentes líderes dos partidos aliados que ameaçam abandonar o governo? Vão se aliar aos probos Demóstenes Torres e Álvaro Dias nas trincheiras da moribunda oposição?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: