A falta que Lula faz no meio de campo

Por Ricardo Kotscho, no Balaio do Kotscho

lula hospital A falta que Lula faz no meio de campo

Ricardo Stuckert/Instituto Lula

Traição. Crise. Pressão. Tensão. Rebelião. Motim. Chantagem.

Palavras duras marcaram a semana política em Brasília, após a primeira derrota de Dilma no  Senado, apesar da ampla maioria da base aliada do governo.

Nada aconteceu que seja surpreendente para os leitores do Balaio. Na terça-feira, quando a presidente ainda estava em viagem, já era possível prever as dificuldades que encontraria na volta da Alemanha, após o manifesto anti-PT divulgado pelo principal partido da base aliada, o PMDB velho de guerra.

Estava na cara que, na primeira curva, os aliados descontentes dariam o bote. Só o governo parece ter sido apanhado de surpresa com a rejeição do nome indicado por Dilma para dirigir a Agência Nacional de Transportes Terrestres, o orgão encarregado da construção do trem-bala.

É nestas horas que fica mais evidente a falta que faz o ex-presidente Lula, ainda a maior liderança política do país, no jogo de meio de campo entre o governo, as várias correntes do PT e os partidos da monumental base de sustentação do governo.

Desde o início do governo Dilma, foi a ele que recorreram todos os descontentes nas horas de tensão entre o Executivo e as lideranças partidárias.

Craque na negociação e na conciliação, o ex-presidente servia de anteparo a Dilma, sempre prometendo a quem o procurava para se queixar do governo que falaria com a presidente para dar um jeito de resolver os problemas. Os dois faziam tabelinha, jogavam juntos, ganhavam tempo tocando a bola.

Sem Lula no meio de campo, momentaneamente fora de jogo, Dilma ficou sem proteção na defesa e foi ao ataque atabalhoadamente, comprando várias brigas ao mesmo tempo e demonstrando total ausência de articulação política no Palácio do Planalto.

Quando perdeu Antonio Palocci, uma espécie de primeiro-ministro, logo no início do governo, Dilma ficou exposta. Tratou de montar um trio de ferro no meio de campo com as ministras Ideli, Gleisi e Belchior, mas elas mostraram pouca intimidade com a bola.

Podem ser boas pessoas, mas não são do ramo, como diria o ex-governador Adhemar de Barros, um profissional da política no pior sentido possível.

Em Brasília, como todos sabemos, o jogo de interesses é tão pesado que não há lugar para amadores. Quase ninguém ali briga por ideias, ideais, propostas para melhorar a vida do país.

As divergências nada têm de políticas, programáticas ou ideológicas. Briga-se apenas por emendas (quer dizer, verbas), boquinhas, espaço no governo e hegemonia no poder.

Todos lutam o tempo todo pensando apenas na própria reeleição. É a permanente crise dos dois “vês”: verbas e vagas (nos ministérios e em todos os escalões) para agradar a cupinchada.

Acontece que não dá para criar mais ministérios, que já são quase 40, e não há dinheiro sobrando nos cofres públicos em época de queda do PIB para atender às demandas de todas as excelências aflitas e famintas em ano eleitoral. A conta simplesmente não fecha.

Quando Dilma se vê obrigada, como aconteceu na quinta-feira, a pedir socorro ao vice Michel Temer, para ajudá-la a apagar os focos de incêndio na base aliada, é porque a situação está mesmo ficando brava. E o que se decidiu? Liberar logo as verbas das emendas parlamentares…

O desafio para o governo agora é baixar a bola e ganhar tempo até que Lula possa voltar ao meio de campo e correr os 90 minutos da campanha eleitoral. Quando isso vai acontecer ainda ainda não sabemos.

Conversei ontem com um dos médicos de Lula, que tinha acabado de sair do quarto do ex-presidente. Estava mais animado do que na véspera, garantindo que foi o melhor dia dele desde a sua internação na semana passada.

Ainda sem previsão de alta, tomando cinco remédios antibacterianos na veia para combater a pneumonia, provavelmente Lula deverá voltar para casa na próxima semana, mas depois terá que ficar pelo menos mais um mês descansando para se recuperar dos tratamentos pesados de químio e radioterapia.

A importância de Lula na política brasileira ainda é tão forte que influencia até os rumos da oposição. Hoje, o humor da política brasileira depende mais dos médicos do que dos profissionais do ramo.

Afinal, foi na ausência forçada do ex-presidente no cenário político, sem poder se dedicar como queria à campanha de Fernando Haddad em São Paulo, que José Serra correu para formar aliança com o quase infiel Gilberto Kassab, e criou coragem para se candidatar mais uma vez a prefeito.

Claro que não é fácil encontrar alguém para fazer o papel de Lula, um jogador político cada vez mais raro, não só aqui dentro como lá fora. Qualquer time sentiria a falta dele.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: