Na falta de Maluf

Por Eduardo Guimarães no Blog da Cidadania


A sucessão municipal de São Paulo está atraindo a atenção do país devido ao fato de que Lula e José Serra são os políticos que realmente terçarão armas nessa campanha eleitoral. O pré-candidato do PT, Fernando Haddad, pode ajudar ou atrapalhar a missão de seu padrinho político de tentar vitaminá-lo eleitoralmente, mas não será o protagonista pela esquerda.

Se tivesse que resumir o que espera o ex-ministro da Educação e o seu padrinho, diria que têm pela frente uma missão “impossível”… Ou, sendo otimista, “quase impossível”.

A pesquisa Datafolha divulgada na internet ao fim da tarde de sábado último deve ter parecido impressionante a quem é de fora, mas não chega a surpreender os paulistanos. A mera manifestação de José Serra de que é candidato a candidato a prefeito o fez crescer quase dez pontos (de 21% ao fim de janeiro para 30% agora).

E o que é mais impressionante: sua decisão de disputar a indicação de seu partido nem teve uma cobertura jornalística tão grande, ainda que tenha sido maior do que caberia se a imprensa local praticasse jornalismo.

Quem não é de São Paulo e não conhece os meandros de sua realidade político-ideológica deve ter ficado surpreso. Como político nacional, Serra vinha perdendo importância. O livro da Privataria Tucana e a sua decadência no PSDB vinham lhe gerando desmoralização intensa pelo país. Entre o eleitorado da capital paulista, porém, mostra-se mais forte do que nunca.

Conhecendo Serra, é de se imaginar que esteja “se achando”. Aliás, nem é preciso imaginar, pois seus próprios correligionários no PSDB vinham dizendo isso, como mostrou vídeo amplamente difundido na internet em que a esposa do jornalista da Folha de São Paulo Clóvis Rossi, uma dirigente do PSDB, alude à egolatria do tucano.

A vaidade de Serra diante de sua disparada eleitoral é um auto-engano. São Paulo vota no reacionário de plantão. É a cidade que continuou votando no PSDB após o crime organizado colocá-la de joelhos em 2006, obrigando a polícia a fazer um acordo. São Paulo é uma cidade em que a criminalidade explodiu e a população acredita na imprensa quando diz que diminuiu.

São Paulo é a cidade que votou em peso em Serra para governador, em 2006, após ter violado promessa por escrito de cumprir até o fim seu mandato como prefeito; é a cidade que, em maioria, acha que a responsabilidade por todos os seus problemas – transporte, segurança, educação etc. – é do governo federal e que não sabe para que servem prefeito e governador.

O mais bizarro na mentalidade da maioria dos paulistas é que não se trata de um povo majoritariamente inculto. Um fato que poucos sabem: o paulistano é talvez o povo que mais lê jornal no país, e é aí que reside a razão de sua incapacidade para enxergar a realidade.

São Paulo é uma cidade em que a maioria dos trabalhadores lê jornal, mesmo que só leia manchetes de primeira página, noticias policiais e de esporte. Basta olhar para as bancas de jornal da cidade nas primeiras horas do alvorecer dos dias úteis para ver o paulistano parado olhando as manchetes.

Esse povo trabalhador prefere jornais populares que trazem tons vermelhos berrantes e fotos de “gostosonas” na primeira página. Esses jornais, hoje, são editados pela Folha de São Paulo e pelo Estadão. Já a revista Veja, faz a cabeça da classe média.

Jornais como Agora (Grupo Folha) e Jornal da Tarde (Grupo Estado) e as rádios CBN e Eldorado são os pilares da direita paulistana. Falam mal do PT e bajulam a direita em alta no momento durante 365 dias por ano. Durante a última década, Serra e Geraldo Alckmin foram os beneficiários do apoio desses veículos.

Além de Haddad ser petista e desconhecido, além de provavelmente vir a ter menos tempo que Serra na propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão, terá toda a grande imprensa paulista contra si. É pouco ou querem mais?

Esse poder de manipulação que a imprensa paulista tem no Estado vem de décadas incontáveis. A maioria dos paulistanos vivos, seja de que idade for, cresceu sendo doutrinada a acreditar em tudo que sai no jornal, no rádio e na tevê, sendo incapaz de questionar, de pensar por si.

O paulistano, em maioria, pensa com a cabeça da mídia.

Não é por outra razão que, em um paradoxo, é em São Paulo que surgiram as maiores lideranças de esquerda na história recente do país, das quais Lula é a expressão máxima, pois é neste Estado, também, que surgiu a resistência mais ferrenha à direita.

A pujança da indústria paulista fez florescer o sindicalismo mais impetuoso e organizado da América do Sul, ao menos, e que produziu esse terço do eleitorado paulista ou paulistano que há décadas tenta, em vão, libertar o Estado do jugo conservador.

A direita paulistana costuma rebater a teoria sobre esse amplo e inarredável viés conservador da maioria dos paulistanos mencionando as eleições de Luiza Erundina, de Celso Pitta e de Marta Suplicy. Das mulheres por serem mulheres e de esquerda, e do homem, por ser negro.

Essas eleições foram meros acidentes. Erundina se elegeu porque a eleição era em um turno só. Teria perdido de qualquer adversário que tivesse ido com ela para o segundo turno, se segundo turno houvesse à época.

Marta foi produto da aliança inevitável entre PSDB, PT e mídia para derrotar Maluf, que a mesma mídia, anos antes, apoiara contra Eduardo Suplicy e que, sempre com a ajuda midiática, elegera Celso Pitta. O tresloucado apoio da mídia a alguém como Maluf só para impedir o PT de vencer uma eleição pôs São Paulo em estado de calamidade pública.

Já o Pitta, o pobre Pitta, que foi usado e jogado fora, que não teria como governar porque herdou de Maluf uma massa falida e um esquema de corrupção institucionalizado na prefeitura, só se elegeu porque um homem branco e rico lhe deu seu aval, pintando-o como “mal necessário” para barrar “os comunistas”.

Se Maluf tivesse sido eleito em 2000, é difícil prever que nível de tragédia poderia se estabelecer em São Paulo. Naquele ano, os serviços públicos estavam paralisados. A cidade parecia uma terra de ninguém. A prefeitura paulistana estava literalmente falida. Havia que impedir Maluf e só restou Marta devido aos 30% que o PT costuma ter em São Paulo.

Assim mesmo, com mídia, PSDB e todo o aparato sindical e político do PT aglutinados em torno de Marta, foi duro derrotar Maluf em 2000. Ela teve 58.51% dos votos e ele, 41.49%. Chega a ser inacreditável que quase metade dos paulistanos tenha votado em Maluf. A cidade arrasada pelo candidato que ele indicara e a população lhe deu tal nível de apoio…

Qualquer candidato com o figurino reacionário que Serra vestiu, portanto, seria eleito com facilidade em São Paulo. O perfil político que agrada mesmo à maioria dos paulistanos é o de Maluf. A maioria gostaria mesmo é de votar nele. Sua prisão há alguns anos, porém, envergonhou seu eleitorado. Mas, em sua falta, serve um José Serra qualquer.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: