A equação dos dias que correm

Agência Carta Maior por Saulo Leblon  

O jogral ortodoxo-midiático perdeu a aposta sobre a política monetária desde agosto, quando estigmatizou como ‘arriscado’ o corte de juros do BC, no seu entender uma resposta precipitada à deterioração ‘incerta’ do quadro mundial (desde então a Grécia virou brincadeira de salão perto da derrocada sistêmica do euro). Derrotado nessa frente conforma-se com um novo corte da Selic nesta 4ª feira, mas tenta agora refrear a mudança de rota embaralhando os termos da equação.

Para ortodoxia a questão central hoje não é evitar o contágio da recessão mundial, mas, sim, a reprodução no país da crise fiscal européia vista, equivocadamente, como origem do colapso do euro. Para isso, cobra do governo Dilma o corte de ‘despesas’ que assegure a meta ‘cheia’ do superávit fiscal previsto para 2012: um deslocamento de R$ 140 bi em receitas para nutrir a pança gorda dos rentistas da dívida pública; outros R$ 100 bi de juros seriam capitalizados, elevando o saldo devedor que já passa de R$ 1,8 trilhão e perfazendo uma esterilização de mais de 5,5% do PIB. Recapitulemos: exceto a Grécia e um ou outro país periférico, a situação fiscal das maiores economias do euro não representava qualquer perigo até explodir o colapso financeiro de 2008. Estados e receitas foram então postos a socorrer bancos e corporações privadas, precipitando uma bola de neve de endividamento, suspeição, contração do crédito e insolvência.

A cartilha ortodoxa não se deu por satisfeita. Liderada pelo pé de ferro de Merkel e Cia, a troika do euro pisa nos dedos de quem se agarra no barranco recessivo esmagando qualquer ação fiscal contracíclica, até reduzir povos e nações a uma montanha desordenada de ruínas no fundo do abismo. As escolhas do governo Dilma para 2012 não podem perder de vista esse cenário, sua origem e a fraudulenta versão vendida pelos interesses rentistas que dele se beneficiam, aqui e alhures. Deslocar R$ 140 bi ao pagamento de juros implicará cortar – entre outras coisas – a já desproporcional fatia reservada ao investimento público (cerca de R$ 47 bi) e, possivelmente, impor perdas a orçamentos, como os da saúde e educação, que já se beneficiam de fatias equivalentes do PIB inferiores à reservada aos rentistas.

Em tempo: ademais do desastre orçamentário, a opção pela receita ortodoxa (arrocho com juros altos) cimenta uma lógica macroeconômica que distorce o câmbio, valoriza o real, incentiva importações e corrói cadeias industriais, definhando vendas internas e externas. Em 2011, a indústria paulista não criou, em termos líquidos, nenhuma nova vaga de trabalho. Ao contrário, eliminou 50 mil postos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: