Sociedade das verônicas : A contribuição da Privataria Tucana ao léxico tupiniquim

Erigutemberg Meneses

A expressão de que no Brasil tudo acaba em pizza ocupa atualmente o lugar de outra que circulava no passado: tudo acaba em samba, usada com a conotação de situações onde um crime – em especial corrupção praticada por colarinhos brancos – acabaria sem punição. A mudança de uso dos sintagmas ocorreu na década de 90. Na votação do Relatório Final de uma CPI (Comissão parlamentar de inquerito) conduzida pela Câmara Federal, após uma ação política que impediu a punição de parlamentares, os envolvidos foram comemorar em uma pizzaria. O ocorrido foi amplamente divulgado pela midia, que passou a ironizar que, no caso, a CPI terminou em pizza.

Tanto a expressão tudo acaba em samba quanto sua homônima tudo acaba em pizza tornaram-se expressões idiomáticas de uso corrente que, como unidades sintáticas, lexicológicas e semânticas traduzem o fenômeno ocorrido quando um termo ou frase assume significado diferente daquele que as palavras teriam isoladamente. A interpretação do conjunto frasal capta-se globalmente, sem necessidade da compreensão de cada uma das partes. Usam-se expressões idiomáticas a todo instante. Elas se encontram no linguajar diário, no noticiário da televisão, em anúncios dos jornais, no rádio, na tv, em discursos políticos, campanhas eleitorais, em filmes, em letras de música, na literatura, etc.

As religiões, mitologias e a história e a política costumam representar fontes inesgotáveis de expressões idiomáticas. Como exemplo de expressão de origem mitológica destaca-se o toque de Midas, significando a capacidade de enriquecimento fácil, que pode se voltar contra o beneficiado, como castigo por sua ambição desmedida. Sua origem remonta ao rei Midas, personagem da mitologia grega, rei da cidade frígia de Pessinus. Após ter libertado Sileno, mestre e pai de criação do deus Dionísio, recebeu, como recompensa que ele próprio escolhera o dom de transformar qualquer coisa em ouro, pelo simples toque. Este dom mostrou-se trágico quando Midas percebeu que nunca mais poderia comer nem beber nada. Desesperado, quase morrendo de fome, Midas implorou a Dionísio que lhe retirasse o terrível dom.

A expressão onde Judas perdeu as botas, derivada da religião, significando um lugar distante ou inacessível, teve base na descrição bíblica da traição de Jesus, vendido por trinta dinheiros por Judas Iscariotes, que, após o ato traiçoeiro, imerso em depressão e culpa, decidiu suicidar-se por enforcamento. Acontece que fora encontrado sem as botas e os trinta dinheiros não foram encontrados com ele. Os soldados deduziram então que a fortuna do indigitado discípulo estivesse escondida em suas botas desaparecidas.

A história contribuiu com a expressão casa da Mãe Joana, lugar bagunçado, onde todos podem entrar, sem maiores cerimônias. As origens guardam-se na acusação de Joana I de Nápoles, rainha de Nápoles e condessa de Provença no século XIV que teria participado do assassinato do marido e precisou passar um tempo refugiada em Avignon. Durante este período aprovou um decreto que regulamentava os bordéis da cidade, incluindo um artigo que dizia: et que siegs une porto… dou todas las gens entraron. Ou seja, … e que tenha uma porta por onde todas as pessoas possam entrar.
A política, tão pródiga em fatos bizarros capazes de ensejar situações pitorescas passíveis de se fixarem no tempo como expressões idiomáticas, tem sido parcimoniosa na contribuição ao léxico nacional. Foi por isso que, me tomei de incontido entusiasmo, ao deparar-me com a expressão Sociedade das Verônicas, inserida no tópico A feitiçaria financeira de Verônica Serra, do livro A Privataria Tucana de Amaury Ribeiro Junior.

Ao lado de tudo acaba em pizza, o sintagma poderá fixar-se na memória popular como expressão idiomática de origem política, significando a situação em que pessoas conhecidas entre si negam se conhecerem e repudiam publicamente o concluio havido com o intuito de ludibriar a lei, embora os fatos e um conjunto de provas judiciais as contradigam. Na versão do livro, Verônica Serra, filha do candidato tucano derrotado nas eleições presidenciais de 2010, nega ser sócia de Verônica Dantas na empresa Decidir que rompera o sigilio bancário de 60 milhões de brasileiros em janeiro de 2001. Afirma ser, apenas, membro do conselho da empresa, e que foi nomeada pelo fundo de investimentos do qual faz parte. Confirma em nota que nunca viu Verônica Dantas, irmã e sócia do banqueiro Daniel Dantas, e nunca trocou palavras nem por telefone, nem por e-mail, nada, embora o nome das duas apareça em documentos divulgados pelo Departamento de Estado da Flórida. De acordo com A Privataria Tucana, a filha do candidato presidencial do PSDB, juntamente com outros dirigentes da empresa Decidir do Brasil, foi indiciada pela Polícia Federal e é ré em processo que corre na 3ª Vara Criminal de São Paulo apontada como autora de violação de segredo bancário, crime do qual se dizia vítima pela quebra de sigilo fiscal ocorrida na agência da Receita Federal de Mauá (SP).

Enfim, contextualizados os fatos em expressões idiomáticas, a privataria levantada por Amaury Ribeiro, tem o seguinte enredo: as xarás Verônicas, abençoadas com o dom do toque de Midas e, portanto, qualificadas para transformar em ouro o quanto tocam, tomam ou afanam, associaram-se lá por onde judas perdeu as botas, decididas a ludibriarem a patuléia tupiniquim das bandas de cá, verdadeira casa de mãe joana, onde graças a togas premiadas tudo acaba em pizza numa roda de samba.

One Response to Sociedade das verônicas : A contribuição da Privataria Tucana ao léxico tupiniquim

  1. clovis marcos disse:

    “Enfim, contextualizados os fatos em expressões idiomáticas, a privataria levantada por Amaury Ribeiro, tem o seguinte enredo: as xarás Verônicas, abençoadas com o dom do toque de Midas e, portanto, qualificadas para transformar em ouro o quanto tocam, tomam ou afanam, associaram-se lá por onde judas perdeu as botas, decididas a ludibriarem a patuléia tupiniquim das bandas de cá, verdadeira casa de mãe joana, onde graças a togas premiadas tudo acaba em pizza numa roda de samba”
    Genial, kkkkkkkkkkkkkkk
    Tocando a marchinha TOMA QUE FILHO É TEU………..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: