Kotscho: “controlargate” faz Gilberto Kassab viver inferno astral

Por Ricardo Kotscho, no Balaio do Kotscho

Cinco anos após assumir a Prefeitura de São Paulo, Gilberto Kassab, então desconhecido vice de José Serra, que ganhou nos últimos meses projeção no cenário nacional ao criar um novo partido, o PSD, vive desde a semana passada o pior inferno astral da sua administração.

O motivo é o “Controlargate”, polêmico contrato de inspeção veicular baseado numa licitação feita ainda na administração do prefeito Paulo Maluf (1993-1996), que Kassab ressuscitou dez anos depois, sem fazer nova concorrência, entregando-o ao Consórcio Controlar, formado pelas empreiteiras Camargo Correa e Serveng, principais doadoras da campanha de reeleição do prefeito em 2008.

Na semana passada, a 11ª Vara da Fazenda Pública decretou o bloqueio dos bens de Gilberto Kassab e determinou que nova licitação seja feita no prazo de 90 dias.

A ação proposta pela Promotoria do Patrimônio Público e Social da Capital foi avaliada em R$ 1 bilhão, valor a ser restituído por Kassab e pelo Consórcio Controlar aos donos dos veículos inspecionados e à Prefeitura Municipal de São Paulo.

Além do processo que corre na área cível, onde o prefeito já responde por improbidade administrativa, os promotores Roberto de Almeida Costa e Marcelo Daneluzzi encaminharam denúncia aos colegas da área criminal, acusando Kassab de participar da fraude de um documento importante para ressuscitar o contrato com a empresa Controlar.

A denúncia foi baseada no depoimento da funcionária Regina Fernandes de Barros, diretora do Decont (Departamento de Controle da Qualidade Ambiental), que havia inicialmente vetado a retomada do contrato com a Controlar.

Segundo a funcionária, um assessor direto de Kassb entregou-lhe uma nota técnica que legalizava a operação, mas ela não sabia que o documento seria utilizado para um aditivo contratual, com efeitos retroativos.

No último sábado, ao voltar de uma semana de viagem a Paris e Londres, o prefeito disse estar tranquilo porque não existe, na avaliação dele, nenhuma irregularidade. “No campo administrativo, agimos sob os critérios morais e administrativos”.

Não foi bem isso o que concluiram os promotores de Justiça Roberto Antonio Costa e Marcelo Daneluzzi ao final das 596 páginas da ação. “Se você perguntar o que está errado neste contrato, eu lhe digo: tudo. Está tudo errado. Esse contrato é uma fraude”, afirmou Costa.

Para os promotores, a contratação do Consórcio Controlar valeu-se de “um pretexto humanístico da preservação do meio ambiente e da vida”, mas que só serviu para o “enriquecimento ilícito” dos acionistas da empresa contratada.

Ao responder às acusações, Kassab afirmou em nota que “tomará as medidas judiciais que julgar oportunas” e garantiu que “a contratação do Consórcio Controlar, responsável pelo Programa de Inspeção Veicular na Cidade de São Paulo, seguiu rigorosamente a legislação em vigor”.

O tempo decorrido desde a contratação da Controlar, quando ainda pertencia à empreiteira OAS _ mais de dez anos _ e o fato da empresa ter sido condenada, em segunda instância, por improbidade administrativa, exatamente em razão deste contrato, está na base da ação movida pela Promotoria.

Dias após a assinatura do contrato ressuscitado por Kassab, em 2007, a Controlar foi vendida ao consórcio formado pelas empreiteiras Camargo Correia e Serveng.

Outra ponta deste novelo apareceu também na semana passada quando a Polícia Federal prendeu João Faustino (PSDB-RN), suplente do senador José Agripino Maia (DEM-RN), que foi sub-chefe da Casa Civil durante o governo de José Serra, na época em que a Pasta era comandada pelo hoje senador Aloysio Nunes Ferreira (PSD-SP).

O motivo da prisão de Faustino: fraudes na licitação para o serviço de inspeção veicular no Detran do Rio Grande do Norte.

O elo se fecha quando se lembra, como fez a coluna “Painel” da “Folha” no último domingo, que João Faustino tem ligações antigas e estreitas com Carlos Suarez, ex-sócio da construtora OAS, acusado de improbidade administrativa pelo Ministério Público paulista.

A conexão Suarez-Faustino, que passa pelos governos de Kassab e Serra, agitou ainda mais o ninho tucano no final de semana, no momento em que PSDB e PSD discutem a formação de uma aliança para as próximas eleições municipais.

Esta história do “Controlargate” ainda promete fortes emoções. Não percam os próximos capítulos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: