O doce remédio das urnas

Do Blog Tijolaço por Fernando Brito

Daqui a pouco devem surgir os primeiros resultados das eleições argentinas, confirmando a esmagadora vitória de Cristina Kirchner.

O favoritismo da presidenta argentina, porém, não impediu que O Globo e o Estadão, hoje, publicassem artigos que vão do sexismo mais torpe ao desprezo mais ignóbil pela vontade do povo argentino.

Neles, Cristina, eleita e provavelmente reeleita, é tratada como uma ditadora obscurantista. Em  O Globo, ao editorialista Luiz Paulo Horta, a chama de “caudilhesca” e vinda de “uma província obscura”. No Estadão, recorrem a um diretor do Instituto Fernando Henrique Cardoso, Sérgio Fausto, para chamarem-na de manipuladora e censora.

É, Cristina Kirchner vai eleger-se por aquilo que, outro dia, O Globo chamou  de  “feel good factor“, isto é, a sensação de bem-estar  dos argentinos com seu governo.

Mas, sejamos justos, o machismo é componente menor nesse ódio. O que não suportam mesmo é que um governante se apóie no povo, não na mídia, tanto que usam a Globo de lá, o Clarín,  como medida de democracia.

Daqui a pouco vão ter de engolir o melhor purgante da democracia: o voto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: