Samba de latada

Por Eason Nascimento

Segundo o pesquisador e crítico musical José Teles, antigamente o forró abrigava uma infinidade de ritmos, estilos e gêneros, incluindo-se aí  o samba. Forró e samba portanto, significavam a mesma coisa. Depois  o samba se “separou” do forró e foi promovido a categoria de  gênero musical. Adaptado para a sanfona, o triângulo, a zabumba, os violões, banjo e instrumentos de sopro, o forró passou a ser chamado de “samba de matuto” ou “samba de latada”, onde a latada era uma extensão da casa ou “puxadinho” como é conhecido em alguma regiões do Brasil.

Para baixar a poeira que a dança espalhava se fazia necessário jogar latas de água no chão que era de terra batida. Daí a origem do nome “Samba de Latada”. Também se diz que o “calango” ou “calango mineiro”, executado principalmente na Bacia do Paraíba do Sul, nos estados de Minas, Rio e São Paulo,  é dessa mesma linhagem.

No nordeste o samba de latada teve no sanfoneiro Abdias, marido de Marinês, seu maior representante e intérprete. Neste CD, Samba de latada, o forrozeiro pernambucano Josildo Sá resgata este esquecido ritmo tendo a seu lado Paulo Moura, um convidado pra lá de especial, considerado um dos maiores músicos do mundo, falecido recentemente. Era o embaixador da musica instrumental. É flagrante a identificação deste ritmo com a gafieira, ritmo que Paulo Moura adorava e que sempre lhe inspirou  a passear com seu clarinete com a desenvoltura dos grandes mestres.

O disco começa com a formidável e iressistível Quixabinha, composição do próprio Josildo em parceria com Anchieta Dali, e que pode ser apreciada no vídeo acima. A conhecidíssima  Forró de Mané Vito de Zé Dantas e Luiz Gonzaga tem a melodia arrastada graciosamente para a gafieira pelo habilidade de Paulo Moura.

Pro Paulo, melodia composta por Chico Chagas em homenagem ao instrumentista, é executada com a maestria do homenageado, que agradece brindando a todos com a beleza extraída da sua velha companheira, a clarineta. É nesta faixa, que se percebe a relação estreitíssima que existia entre Paulo Moura e seu instrumento. Ainda faz parte do repertório, Fraguei, lançada por Abdias, Eu gosto de você e Nega Buliçosa, dentre outras.

Este disco resgata a  beleza de um ritmo genuinamente brasileiro,e que parecia  estar esquecido. Se depender de Josildo não estará mais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: